Renovação

Crônica publicada na Páscoa de 2014

O grande significado da Páscoa é a RENOVAÇÃO. A partir daí, todas as outras relações e entendimentos sobre esta data se desenrolam, quase que no automático. Mas antes, vale falar sobre o porquê deste significado.

Como é sabido, a Páscoa refere-se à data em que Jesus Cristo renasceu dos mortos, mostrando a todos que a vida aqui neste mundo é só uma passagem.

Antes, ouve o sofrimento, ele foi condenado e crucificado por ser cristão. Naquele tempo, os romanos matavam os cristãos desta forma, acusando-os simplesmente por serem cristãos, ou senão, em circos ao ar livre como o Coliseu, onde eles enfrentavam leões e outros que compartilhavam da mesma fé. Uma morte cruel, com certeza, mas que não se diferencia muito das manchetes que vemos nos jornais diariamente. A barbárie continua, e acredito que em proporções semelhantes ou até maiores.

Voltando à Renovação, que é o que verdadeiramente deve ficar em nossos corações, precisamos ir além. O que esta palavra tão bonita quer dizer? Renovar, no dicionário, é tornar novo, mudar para melhor, melhorar, aprimorar, aperfeiçoar. Melhorar em todos os aspectos.

Tão fácil e tão difícil. Para renovar é preciso estar aberto a mudanças. Predispor-se a novos tempos. Vestir-se com a coragem e ir, em busca dos sonhos. Não dar vazão ao impossível. Ter fé e entregar-se a ela. Ter fé sempre. Primeiro em você, acreditar que é capaz, depois, ter fé no mundo, na natureza, na criação e em tudo que ela representa. Dar vazão ao bem, aos bons sentimentos, a caridade, sem conceitos pré-concebidos, realmente acreditando que estamos juntos nessa, para o melhor fazer a toda à humanidade.

Para renovar, precisamos nos despir de sentimentos egoístas, egocêntricos. É nosso dever olhar para o lado, para o próximo. Podemos começar de forma bem material mesmo, abrindo espaço no guarda-roupa, doando aquilo que não usamos mais, deixando de acumular “coisas” em cima de “coisas” e abrir pequenas brechas para a luz entrar. É como se estivéssemos tirando o mofo da alma. Quando limpamos as gavetas do quarto, estamos limpando as gavetas da alma, ganhando nova força. É sim um recomeço. A doação é a transformação daquilo que pesava em nós, em algo que pode ser muito útil para o nosso irmão.

Durante este processo, nos sentimos cansados, exaustos. Mexer em coisa parada dá um trabalhão, mas em compensação a leveza que se apresenta em seguida, faz valer qualquer fadiga.

Mais adiante, precisamos seguir com aquilo que não é mais “coisa” e sim com o que nos torna parte desta engrenagem, as atitudes. Sorriso no rosto, ouvidos para ouvir, boca para pronunciar palavras doces e até firmes em muitos momentos, mãos para ajudar, abraços para aconchegar. Temos ao nosso alcance a máquina mais incrível de todas: o corpo humano, e infelizmente, não sabemos ou acabamos usando-a de maneira até cruel. Ele é feito na medida para a prática do bem. Temos a maior dádiva de todas. Gerar a vida. É a perfeição em cada detalhe. Somos feitos para a harmonia e para o amor. Onde será que nos perdemos? Precisamos voltar ao prumo, sem demora.

Jesus morreu por nós, para nos livrar dos nossos próprios pecados, em um ato de amor incondicional, o mesmo amor que os pais sentem, ou deveriam sentir, por seus filhos. Eles amam porque amam, não precisam ter condição para isso. Jesus veio para nos ensinar e é através dele e da vida que temos a oportunidade de aprender.

E para mudar de uma vez por todas a direção a qual caminha a humanidade, precisamos escutar nossos corações e deixar nossa mente em pura sintonia com nossa essência divina. Precisamos abrir espaço, para que a renovação, tão sonhada, torne-se, definitivamente, realidade. Feliz Páscoa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *